Estética à luz da Consultoria de Imagem

Como dizer o que é bonito? Como decidir que uma roupa fica mais bonita que outra? Como entender o que é belo no universo único de cada ser?

Por estar insatisfeita com conteúdos rasos baseados em tendências e olhares efêmeros, me vi obrigada a pesquisar e buscar na filosofia e na arte, embasamento mais específico e real para traduzir e aplicar na minha rotina de trabalho e venho através dessa coluna falar um pouco sobre isso.

Comecemos, pela filosofia, que a distinção entre gostar de algo e julgá-lo belo traz uma profundeza de discussões. Alguns estudos falam da interligação desses dois sentimentos com a compreensão de estética no contexto filosófico. Immanuel Kant, considerado o principal filósofo prussiano da era moderna, fala em um de seus artigos sobre o "juízo estético" e da interligação com o "juízo de gosto" e a importância disso na arte como forma de expressão, subjetividade humana e afecção do espírito, ou seja, ele reconhece à estética e o belo por meio da arte e de como isso está ligado diretamente à vida do ser humano. 

Nesse estudo a estética é pensada não mais como uma dimensão objetiva do mundo, ou seja, a reflexão sobre a estética está voltada para as condições de receptibilidade ao prazer do sujeito. Para Kant nós temos a capacidade de distinguir, refletir e emitir uma opinião ou juízo estético e esse juízo não está direcionado a conceitos e nem a conhecimento, mas sim ao prazer e desprazer. Este prazer refere-se especificamente ao sujeito, à sua sensibilidade ou receptibilidade ao experimentá-lo e é expresso em Beleza. Por exemplo, ao observar o céu estrelado acima de nós, temos a sensação objetiva de que vemos algo - estudado em livros e também temos um sentimento de prazer ao ver a Beleza do céu, contemplando sua harmonia e sua ordem, como se tivesse sido feito por Deus, o artista da natureza. Sensação essa vinda da nossa faculdade de julgar. Entretanto, a partir do dado empírico, esta sensação é desinteressada do objeto, ou seja, não se refere a ele, mas ao sentimento do sujeito vinculado a essa experiência, numa tentativa de contemplação pura, de prazer puro.  Logo, não temos essa certeza à norma ideal do senso estético, pois ela é prevista por nós mesmos. Usando como exemplo a frase "o clima é belo", ele é belo por causar alguma sensação de prazer para quem o afirmou já na frase "o clima é agradável", existe uma finalidade que pode ou não ser igual para todos. Sabendo que o conceito agradável está condicionado ao juízo de um terceiro, diferente do juízo de belo que é subjetivo, pois pode ser belo para uns e não ao juízo dos outros. Portanto, o juízo estético está relacionado ao sentimento e não segue uma regra. 

Ora, se o juízo estético é subjetivo e não segue regras, porque eu deveria sozinha decidir o que ficaria bom nos corpos e usos de quem procura uma assessoria de estilo pessoal? Entendo que para montar um armário é preciso sim harmonizar entre o uso de conceitos universais estéticos e o entendimento do universo e gosto pessoal de cada pessoa, mas a importância deve sempre estar na segunda parte da fórmula. As pessoas precisam ser escutadas por completo. Deve haver um respeito incondicional à história de vida delas. Juntar todas essas informações e traduzir elas em forma de um guia de ajuda para que se tenha autonomia na arte de se vestir faz com que o meu trabalho tenha O diferencial. Não há mais espaço para generalizações. Não há mais espaço para ditaduras. Não há mais espaço para modelos a se seguir. Todos queremos cada vez mais nos sentirmos únicos e cheios de personalidade e eu sou a prova de que isso é possível. O formato de assessoria que criei faz com que meus clientes tenham um momento de descoberta - ou redescoberta - e eu sirvo apenas como ferramenta para que o melhor deles aflore, sem podar o que eles são!

Fernanda Wachholz, formada em Consultoria de Imagem e Estilo pela Belas Artes de São Paulo e  Fashion Image and Styling pelo Istituto Marangoni de Milão. Bacharel em Moda pela FURB. Atua há mais 10 anos no mercado da moda. Atualmente é consultora de imagem e estilo pessoal, trazendo reflexões sobre cuidados com a imagem, consciência de estilo, autoconhecimento e consumo responsável.

 

 

 


FONE : 47 996717902
INST : wachholz
SITE: www.catameubrilho.com.br

 

Revista Perfil: Destaque para

sua empresa


Baixe o nosso aplicativo

 

Entrar em contato

| Revista Perfil - Editorial - Matriz

| Rua Júlio de Castilhos, 410 - Sala 504 - Tapejara/RS

| 54 3344 2830

| 54 9 9157 3330


| Revista Perfil - Filial

| Rua Júlio Joaquim Fernandes, 155 - Sala 602 - Itajaí/SC